Luis Gava/PMC

Projeto "Mãos à terra" envolve pais e alunos no Sumaré em Caraguá


Postado em: 01/06/2018

A EMEI/EMEF Profª Adolfina Leonor Soares dos Santos ganhou um reforço importante para reativar a horta da unidade escolar – a contribuição do casal Ana Paula Balestra e Francisco Antônio da Silva. Ambos fazem parte da Associação de Pais e Mestres (APM) da escola e propuseram à diretora da escola, Dulcinéia Aparecida Vieira Gonçalves, o projeto "Mãos à Terra", que foi colocado em prática esta semana com alunos do 3º ano C, da professora Alzilane Andrade.

O objetivo do projeto é transformar espaços improdutivos para aquisição de aprendizado sobre alimentação, nutrição, natureza e meio, além de estimular a inteligência, os sentidos e a interação com o meio ambiente, entre outros aspectos.

"Fazemos parte da APM pelo fato do meu filho Davi, nove anos, estudar na escola. Com essa ação queremos reforçar que é importante os pais estarem presentes na vida acadêmica dos filhos e contribuírem com seus talentos e conhecimentos", afirmou Ana Paula. Além de preparar a terra, Francisco doou várias mudas de salsa, cebolinha, tomate, manjericão e alecrim. A ideia é que os temperos, em breve, sejam usados na para preparar a comida dos estudantes. Besouro explicou passo a passo à criançada como preparar a terra e colocar a muda. "A garotada de hoje fica muito no celular e no computador. Agora eles vão aprender a mexer na terra: plantar, arrancar mato, adubar, fazer compostagem, enfim, colocar as mãos na terra", disse.

A aluna Gabriella Perreira, oito anos, aprovou a nova aula. "Minha avó, Hilda, mora numa casa embaixo da minha, onde ela tem uma horta. Lá tem tomate, couve, coentro, cebolinha e outras verduras. Eu ajudo e também plantei feijão. Acho legal mexer na terra", contou.

O amiguinho Ruan Lameu, oito anos, também gostou da novidade. "Gosto de mexer na terra, ver crescer as plantinhas. Lá em casa também tem horta", disse.

De acordo com a diretora, a presença dos pais na escola é sempre bem-vinda. "Projetos como esse só contribuem para desenvolver habilidades e competências dos alunos. Cada turma ficará responsável por um canteiro. Também faremos uma horta suspensa com os alunos do 5º ano", adiantou Dulcinéia.

Já Alzilane acredita que atividades fora de sala de aula contribuem para o desenvolvimento do plano pedagógico. "Os alunos são bem participativos e podemos trabalhar vários aspectos como tipos de plantas, para que servem, como se desenvolvem, importância da natureza, preservação do meio ambiente, alimentação saudável, entre outras questões", afirmou.



Últimas Notícias