Greve geral desta sexta-feira tem adesão de 20 entidades e movimentos sociais da região


Postado em: 27/04/2017

Cerca de 20 entidades e movimentos sociais do Litoral Norte devem participar da greve geral contra as reformas Trabalhista e da Previdência, marcada para esta sexta-feira (28) em todo o país. Em São Sebastião, está previsto um ato em frente ao portão principal do Tebar (Terminal Marítimo Almirante Barroso), da Transpetro, a partir das 6h30. Os demais atos do movimento serãod decididos durante a concentração dos manifestantes.

As principais centrais sindicais do Brasil decidiram mobilizar todos os trabalhadores para lutar contra as Reformas da Previdência e Trabalhista e integrar a Greve Geral. Na região, o movimento é articulado por meio do Comitê do Litoral Norte Contra as Reformas da Previdência e Trabalhista.

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de São Sebastião aderiu ao movimento. A decisão foi tomada em assembleia junto à categoria.

O Sindserv notificou a administração municipal, na última segunda-feira (24), sobre a adesão ao chamado nacional de Greve Geral, por meio do ofício 59/2017. Nos termos da legislação vigente, considerando o comunicado com 72 horas de antecedência, o documento destaca que poderão ocorrer paralisações dos serviços prestados pelos servidores públicos municipais em adesão ao movimento.

“Enquanto sindicato, o nosso objetivo é tomar todas as medidas legais cabíveis para garantir os direitos dos servidores públicos que desejem aderir ao ato nacional. Esta é a hora de todas as categorias unirem forças para lutar contra os ataques do governo a conquistas históricas da classe trabalhadora. Lutamos sempre por nenhum direito a menos e mais benefícios”, ressalta a presidente do Sindserv, Audrei Guatura.

Em adesão a greve geral, as três sedes do Sindserv estarão fechadas nesta sexta e os funcionários da entidade estarão participando da manifestação e ajudando voluntariamente conscientes do objetivo da greve pelos direitos de todos os trabalhadores a aposentadoria e condições dignas de trabalho. O café da manhã servido pelo Sindicato nas três sedes, sempre no último dia útil do mês, foi transferido para o local da concentração do movimento.

O Sindicato ainda destaca no documento que “em nenhuma hipótese, os meios adotados pelos empregadores poderão violar ou constranger os direitos e garantias fundamentais que assegurem o direito de paralisação”.

Entre as entidades que aderirão ao movimento na região estão: Sindserv São Sebastião; Associação de Amparo à Mulher Sebastianense (AAMS); Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp); Associação Viva Cambury Fórum dos Sindicatos, Oposições Sindicais e Movimentos Sociais do Litoral Norte de São Paulo; Movimento Estudantil; Ordem dos Advogados de Brasil (OAB São Sebastião); Sindicato dos Funcionários do Sistema Prisional do Estado de São Paulo (Sifuspesp); Sindicato dos Empregados do Comércio de Caraguatatuba e São Sebastiao (Sincomerciários); Sindicato dos Trabalhadores Administrativos em Capatazia, nos Terminais Privativos e Retroportuários e na Administração em Geral dos Serviços Portuários do Estado de São Paulo (Sindaport); Sindicato dos Professores de Escolas Públicas Municipais de Guarujá, Bertioga, São Sebastião, Ilhabela, Caraguatatuba e Ubatuba (Siproem); Sindicato de Conferentes de Carga, Descarga e Capatazia do Porto de Santos, São Vicente, Guarujá, Cubatão e São Sebastião; Sindicato dos Arrumadores de São Sebastião; Sindicato dos Estivadores de São Sebastião; Sindicato dos Petroleiros do Litoral Paulista (Sindipetro LP); Sindicato dos Trabalhadores em Saúde e Previdência no Estado São Paulo (Sinsprev SP); Sindicato dos Trabalhadores nas Industrias da Construção Civil, Mobiliário e Montagem Industrial de São José dos Campos e Litoral Norte (Sintricon) e Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários, Urbanos, Cargas, Anexo e Diferenciado do Litoral Norte (STTRUCAD).

Ecobus

Por meio de nota, a diretoria da Ecobus, responsável pelo transporte coletivo em São Sebastião, se posicionou contra a greve geral. A empresa afirma que presta um serviço essencial à população e não pauta as suas atividades com base em posicionamentos políticos, mas sim naquilo que é de interesse da coletividade.

A nota cita ainda que "a diretoria da empresa está ciente que na sexta-feira poderá haver movimentos nas ruas, impedindo a passagem dos ônibus, o que poderá afetar os horários das linhas e os itinerários. Por isso, orientou a equipe nesta quinta-feira para estudar algumas estratégias visando atender a população mesmo diante deste cenário".

Como não se sabe ainda qual será a dimensão da greve e em que nível afetará o transporte público, a Ecobus solicita que os passageiros entrem em contato para se informarem sobre os horários e as linhas.

Os telefones de contato são: 0800 77 10 507/ Gratuito, 3892- 5999 (24 horas), 97408- 3941 (whatsapp).



Últimas Notícias