Radar Litoral

Chuva forte provoca transtornos no LN: interdições na SP-55, deslizamentos e vias alagadas; Aguilar Jr decreta "situação de emergência"


Postado em: 17/03/2017

Atualizada às 9h25 - A chegada de uma frente fria nesta sexta-feira (17/3) trouxe chuva forte desde o início da noite, o que já provoca uma série de transtornos no Litoral Norte, como vários pontos de alagamento. A SP-55 ficou interditada por mais de uma hora no trecho de Toque-Toque Pequeno e Calhetas, na Costa Sul de São Sebastião após deslizamento de terra e queda de árvore. Um poste caiu no trecho da Praia das Cigarras, na Costa Norte, bloqueando parcialmente a pista por mais de duas horas. O prefeito de Caraguá, Aguilar Júnior (PMDB), decretou "situação de emergência". 

A Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros fizeram a retirada da árvore na Costa Sul. Já no trecho da Praia das Cigarras, o tráfego fluiu em sistema de pare e siga até a retirada do poste. Trânsito totalmente liberado por volta das 22h40.

Na região central, o trecho urbano da SP-55 no Portal da Olaria ficou alagado e os os motoristas tiveram dificuldade para passar em razão do volume de água. Também foram registrados vários pontos de alagamento na região central, incluindo Porto Grande e Pontal da Cruz; na Costa Sul, nos bairros Barra do Una, Barra do Sahy, incluindo a Vila Sahy (foto) e Boiçucanga.

Ainda na região sul de São Sebastião, a passarela entre Juquehy e Barra do Una foi levada pela água. Não há registro de vítimas. A ligação entre os bairros somente é feita pela Rodovia Manoel Hyp

Alagamento na Vila Sahy, na Costa Sul de São Sebastião, nesta sexta-feira (17/3)

Prefeito de Caraguá decreta "situação de emergência"; ainda há risco de deslizamentos de terra

Em Caraguá, onde na madrugada da última quarta-feira (15/3) houve deslizamentos de terra e alagamentos, deixando seis famílias desabrigadas, voltou a chover forte nesta noite de sexta-feira. Na zona sul, bairros como Porto Novo, Jardim Britânia e Pontal Santa Marina já registram pontos de alagamento. 

A Defesa Civil de Caraguatatuba continua em estado de alerta em relação aos escorregamentos de terra, inundações e quedas de árvores, conforme determina o Plano Preventivo de Defesa Civil (PPDC). Durante toda a sexta-feira (17), equipes da Defesa Civil vistoriaram diversas áreas de risco da cidade para identificação dos imóveis com problemas.

 O volume de chuva registrado nas últimas 72 horas foi de 160.85 milímetros. O prefeito Aguilar Júnior decretou situação de emergência em função dos estragos provocados pelas das chuvas da madrugada de quarta-feira (15). Cerca de 40 casas foram vistoriadas pela Defesa Civil, sendo 20 identificadas com risco iminente de deslizamento, e a orientação dada foi para remoção imediata.

As equipes, compostas por servidores públicos técnicos, orientaram os moradores casa a casa. As 13 famílias foram removidas para a casa de amigos e parentes. Um senhor se recusou a deixar o imóvel. Em função disso o morador será notificado com base no Decreto nº662/2017 (situação de emergência) e em caso de recusa o cidadão será removido compulsoriamente.
 
Oficialmente, 15 famílias (cerca de 60 pessoas) do condomínio Residencial do Bosque, interditado no Cantagalo, já tiveram de sair do local e foram para casa de parentes e abrigos. No Centro Esportivo Municipal Ubaldo Gonçalves (Cemug) estão cerca de 60 pessoas, segundo a prefeitura. O Morro Santo Antônio também continua interditado, principalmente próximo a rampa de paraglider. Há risco de deslizamento de terra em vários pontos.

Balanço dos Bombeiros

 De acordo com o Corpo de Bombeiros,  nas 12 primeiras horas da chegada da chuva ao Litoral Norte, as guarnições foram acionadas em São Sebastião (árvores na Costa Sul, alagamento e poste energizado no Bairro das Cigarras) e Ilhabela (ocorrências de deslizamento de terra, alagamentos, com 03 vítimas leves socorridas e uma família removida pelo Corpo de Bombeiros em áreas de risco).

Em Caraguatatuba e Ubatuba, não houve chamadas pelo 193, embora em ambas as cidades, as viaturas se deslocaram para os pontos de risco, mesmo sem acionamentos, assim que começou a chover, atuando preventivamente para orientar as pessoas. 

O comandante do Corpo de Bombeiros na região, capitão Newton Krüger afirmou estar trabalhando com100% de escala extraordinária nesse período.



Últimas Notícias