Campanha de Prevenção ao Câncer Bucal é iniciada nos postos de saúde de São Sebastião



Postado em: 16/04/2024


A Secretaria de Saúde de São Sebastião iniciou, na segunda-feira (15/4), a Campanha de Prevenção ao Câncer Bucal em todas as Unidades de Saúde da Família (USFs) do município. De acordo com a secretaria, pacientes maiores de 18 anos poderão ser avaliados nas USFs em sistema porta aberta até o dia 30 de julho, quando serão finalizadas as ações da Campanha Julho Verde, que também contemplará as ações do II Simpósio de Câncer de Cabeça e Pescoço, que será realizado no Teatro Municipal de São Sebastião no dia 12 de julho.

Segundo o diretor de Saúde Bucal, Daniel Capitani, o objetivo da campanha é identificar lesões de forma precoce. “Queremos com esta campanha tratar a forma incipiente da doença para que o paciente seja cuidado da melhor forma possível”, afirma o diretor.

De acordo com o Ministério da Saúde, pacientes fumantes, etilista, trabalhadores que se expõem ao sol e pessoas que também usam cigarro eletrônico são os que têm maiores riscos de contrair o câncer bucal. O câncer de boca (ou da cavidade oral, como também é chamado), pode atingir estruturas como os lábios, língua, assoalho da boca (que fica embaixo da língua), gengiva, bochecha e o céu da boca. Esse é o tumor maligno mais comum na região da cabeça e pescoço, com mais de 15 mil novos casos por ano, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca).

O termo Câncer de Cabeça e Pescoço (CCP) denomina o conjunto de neoplasias malignas que acometem vários sítios desta região, como seios paranasais, cavidade nasal, glândulas salivares, laringe, faringe, tireoide e também a cavidade bucal. Em conjunto, essas neoplasias ocupam o 4º lugar em incidência no Brasil. Segundo o Inca, espera-se para o triênio de 2023- 2025 o surgimento de aproximadamente 40 mil novos casos por ano destas lesões, dos quais cerca de 15 mil serão lesões da cavidade bucal.

Ainda que, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) e a Organização Panamericana de Saúde (OPAS), 50% dos casos de CCP possam ser evitados e o índice de cura chegue a 80% quando é realizado o diagnóstico precoce, a projeção para as próximas décadas de acordo com a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC, sigla em inglês) é que os números de incidência aumentem significativamente nos próximos anos na América Latina.

Ainda de acordo com Daniel Capitani, aproximadamente 80% dos casos são diagnosticados de forma tardia. “Isto resulta, muitas vezes, em tratamentos complexos e mutiladores, que diminuirão de forma considerável a qualidade de vida dos pacientes, além de gerarem um gasto significativo para o sistema de saúde”, explica o diretor.

Diante desta realidade, no dia 25 de abril de 2022 foi sancionada a Lei Federal 14.328/2022 que instituiu o mês de julho como o Mês Nacional do Combate do Câncer de Cabeça e Pescoço, período em que ocorre a Campanha Nacional de Prevenção do Câncer de Cabeça e Pescoço, ou Julho Verde, que no ano de 2023 teve sua 7ª edição.



Últimas Notícias