Na Câmara da Ilha, vereadores de oposição denunciam ameaças e pedem investigação da PF: “estamos falando com gente de fuzil na mão”



Postado em: 20/03/2019


A sessão da Câmara de Ilhabela, na noite de terça-feira (19/3), foi marcada por denúncias de vereadores de oposição, que relatam sofrer ameaças por parte de grupos ligados ao governo municipal. Os vereadores Cleison Ataulo Gomes (DEM), o Cleison Guarubela, e Luiz Paladino de Araújo (PSB), o Luizinho da Ilha, destacaram que um dos motivos seria o interesse em licitações de grande valor e o superfaturamento de obras. “A gente não tá falando com zé mané não, estamos falando com gente com fuzil na mão, gente com escuta”, disse Luizinho. Guarubela pediu investigação da Polícia Federal e apontou que inclusive o presidente da Câmara, Antonio Marcos Silva Batista (DEM), o Marquinhos Guti, também foi ameaçado.

Em um discurso inflamado na tribuna da Câmara, na sessão da última terça-feira, o vereador Luizinho da Ilha, falou sobre as ameaças. “Nós do Legislativo estamos sofrendo ameaças, sendo rendidos com pessoal armado, coagindo vereador, ameaçando vereador a não continuar o seu trabalho. Dizem que tem gravação clandestina de um monte de pessoas, vamos buscar e tornar isso público”, disse o vereador, que já foi secretário municipal de Obras no atual governo.

O vereador Luizinho da Ilha na tribuna da Câmara na sessão da última terça-feira (reprodução vídeo CMI)

Ele teme que algo possa acontecer para os vereadores diante da postura adotada. “Temos R$ 1 bilhão de orçamento, e sabe o que incomoda, vejam no Jornal Nacional, por aí matam por R$ 10 mil, R$ 5 mil, imagine por R$ 1 bilhão. Imagine contrato de R$ 37 milhões dos resíduos, imagine contrato de pavimentação de R$ 60 milhões. A gente não tá falando com zé mané não, estamos falando com gente com fuzil na mão, gente com escuta”, declarou Luizinho da Ilha. “Hoje na minha casa tem monitoramento de câmera, dois cachorros. Eu nasci aqui, iniciei na vida política num orçamento de R$ 60 milhões da cidade, e hoje R$ 1 bilhão e meio. Sabe porque isso acontece? Porque fazem acordo com as pessoas erradas, tem que ter pulso firme. Ganhar uma campanha prometendo o que não pode entregar, é o resultado disso. Insegurança, instabilidade, ingovernabilidade. Se errou assuma o erro e volte. Homem aperta a mão de outro homem e vai até o final, homem não ameaça”, disse o vereador na tribuna da Câmara.

Pedido de investigação na PF

Já o vereador Cleison Guarubela disse que recebeu ameaças, mas não tem medo de ninguém. Ele citou que a vereadora Nancy recebeu três ligações com ameaças. “A gente vê a bandidagem que está se instalando em Ilhabela. No dia 26, tem uma licitação de R$ 37 milhões, que não teve audiência pública, não sei se é por causa disso. Esses bandidos não vêm de longe, vêm de São Sebastião e que está trazendo é o prefeito. É uma vergonha ganhar a eleição trazendo bandidos para a cidade. Nunca vimos isso em Ilhabela. Nessa legislatura acontece de tudo. A ponte estaiada custou 1,2 milhão na administração passada e a reforma vai custar R$ 3,5 milhões. Nossa cidade está sendo roubada”, declarou o vereador. 

Cleison Guarubela pediu para que a Polícia Federal venha para a cidade investigar. Ele afirmou que o presidente do Legislativo foi ameaçado na própria Câmara.

Presidente da Câmara

O presidente da Câmara, Marquinhos Guti, disse na sessão que os vereadores estão acuados, mas fazendo o seu trabalho dentro da lei. “Não tenho medo, pois estou fazendo as coisas corretas. Após a sessão da semana passada, veio um cidadão na Câmara querendo me intimidar com um áudio sem pé e nem cabeça. Pedi pra fazer o que quisesse. Essa situação é vergonhosa. Se estão pensando que estamos quietos, com medo, estão enganados”.

Guti informou que fez um boletim de ocorrência para se resguardar. “Isso é para a população entender em que situação está Ilhabela. Muito dinheiro fez mal para o município”.

Entrevistas

O Radar Litoral entrou em contato com os vereadores Luizinho da Ilha, Cleison Guarubela e Marquinhos Guti, mas eles não quiseram se manifestar sobre as declarações que fizeram na sessão. Luizinho da Ilha disse apenas que vai aguardar a investigação da polícia.

O presidente da Câmara, Marquinhos Guti, disse que as providências estão sendo tomadas e que posteriormente irá se pronunciar. Já Cleison Guarubela disse que irá aguardar o andamento das investigações.

Prefeitura de Ilhabela

A reportagem do Radar Litoral entrou em contato com a assessoria de imprensa da Prefeitura de Ilhabela. "O Executivo repudia esse tipo de acusação, infundada e inverídica, uma vez que respeita a instituição Câmara Municipal, bem como seus nobres vereadores. Dessa forma, já está estudando as medidas jurídicas cabíveis para a apuração dessas acusações e não medirá esforços na busca do esclarecimento desses fatos.  A divergência de opinião faz parte da democracia e serve para enriquecer o debate. No entanto, dever ser exercida com responsabilidade. Toda pessoa que faz qualquer tipo de acusação tem o dever de comprovar suas alegações. O Poder Executivo faz questão de que essa história seja devidamente apurada", diz a nota oficial.

Também por nota, o prefeito Márcio Tenório afirmou repudiar as acusações. "Repudio esse tipo de acusação infundada e inverídica, uma vez que jamais recorreria à velha política praticada no passado. Estou tomando as medidas jurídicas cabíveis para preservação da minha imagem e honra, mesmo porque tenho sido a maior vítima de ameaças, calunias e difamações no município".

 



Últimas Notícias