Daniela Carvalho



Site: http://encantes.blogspot.com.br/

Daniela Carvalho, autora do Blog Encantes, é jornalista e adora escrever sobre estilo de vida, viagens e histórias do cotidiano, como forma de diminuir as distâncias e estreitar os laços de amizade. Sonha morar em Paris e escrever um livro de crônicas.

 

 

Coração Aflito

Postado em: 30/11/2017

Por Daniela Carvalho/ Blog Encantes
 

Amor, você convive comigo mais do que qualquer outra pessoa, qual é o meu maior defeito? 
A resposta veio rápida: Você, às vezes, é pesada.
 
Com certeza ele não se referia ao meu peso. Conhecendo- o como eu conheço, sei que, além de ser um homem gentil, o meu marido é um cara prudente. Ele se referia ao modo como eu levo a vida, às vezes.
Eu esperava um adjetivo pouco lisonjeiro, se não eu não teria perguntado sobre o meu defeito, mas “pesada” foi um pouco estranho.
Não digo ruim, mas foi estranho. 
Só para explicar que não é a primeira vez que eu pergunto isso para o meu marido. Não sei por que eu faço isso. Não sei mesmo. 
Desconfio que, às vezes, eu não me enxergo e preciso que ele seja o meu espelho. 
Do jeito que é só dele e que me faz amá-lo depois de quase 30 anos, o meu marido consegue me trazer de volta do céu e do inferno, lugares aonde vou e volto tantas vezes em um único dia. 
Engoli a palavra “pesada” sem fazer cara feia. Mastiguei a palavra “pesada” e saboreei delicadamente cada sílaba, PE –SA – DA. 
Observei, com cuidado, qual o sabor que essa palavra tinha na minha boca. 

Concluí: o gosto não é bom. 

Engraçado que também nunca achei bom ser considerada pelos amigos e a família como uma pessoa muito zen e até distraída. 
Pra dizer a verdade, eu sempre soube que isso era uma meia verdade. 
Por outro lado, nunca me esforcei para mudar a opinião deles. 
Sempre tive a sensação de que o “meu jeito leve de ser” levava a paz para os seus corações aflitos. Então, tá. Que seja. 
Mas, o meu marido não se deixa enganar. Ou talvez, ele até queira fazer isso, mas eu não deixo. 

O dó, o que eu faço com ele? 

Digo que vou mudar, sabendo que isso um dia será uma verdade, mas a longuíssimo prazo, quem sabe outra encarnação? 
Ou peço apenas que me aceite, como tem feito, e não desista de mim porque sozinha não conseguiria dar conta de carregar o peso de ser eu.