Economia e Finanças



A coluna aborda de forma simples e direta assuntos de Economia importantes para o seu dia a dia. A coluna está a cargo da economista e professora universitária Tcharla Bragantin e do também professor universitário Juraci Marques, formado em Ciências Contábeis e pós graduado em Direito Tributário e Legislação de Impostos. 

Crise e Finanças Pessoais

Postado em: 19/04/2016

Tcharla Bragantin*  

Passamos por um momento econômico difícil no Brasil, queda dos índices econômicos, inflação alta, retração do PIB, desemprego aumentando cada vez mais e já sentimos com intensidade o impacto disso tudo em nosso dia-a-dia. Os preços altos e a incerteza em relação à manutenção da renda fazem com que as famílias diminuam gastos.

Mas afinal é possível controlar as finanças pessoais em tempos de crise?

Os mais pessimistas acreditam que não, mas com planejamento, disciplina e persistência, é possível manter as finanças sob controle.

Muitas pessoas se assustam ao ouvirem falar em controle e planejamento financeiro, talvez pela falsa idéia de associar planejamento financeiro à corte de gastos. Planejamento financeiro não é cortar gastos, mas sim escolher a melhor maneira de gastar o salário.

É claro que o ideal é não esperar os momentos de crise para tomar a iniciativa de fazer o planejamento das finanças pessoais, porém se não era feito antes da crise, não adianta desanimar, esse é o momento ideal para começar!!!

O primeiro passo é saber tudo que entra e tudo que sai - e para isso é essencial anotar tudo, todas as receitas (salários, rendimentos) e também todas as despesas (aluguel, luz, água, telefone, financiamentos, combustível) e principalmente os pequenos gastos do dia-a-dia, pois muitas vezes são eles que nos levam a “não” saber onde gastamos nosso dinheiro (lanches, pequenas compras no supermercado, vestuário, etc.) - e equilibrar as contas, o correto é que os ganhos sejam superiores aos gastos e caso não seja essa a situação, o próximo passo então é cortar gastos: economizar nas contas de consumo (luz, água, telefone, internet) e tudo mais que não for esse essencial e possa ser cortado.

Outras dicas importantes: Pesquisar preços, não assumir novas dívidas, atenção redobrada com cartão de crédito e cheque especial, pois além das altas taxas de juros, são esses os principais motivos de endividamento e descontrole financeiro.    

A alta da inflação, o aumento dos preços e a incerteza atingem a todos, porém o rendimento continua o mesmo. Isso tudo torna ainda mais difícil acertar as contas e economizar, mas o atual momento exige um controle financeiro eficiente.

Com planejamento, disciplina, prática e persistência, é possível aprender a controlar as finanças e minimizar os impactos dessa crise sobre o nosso orçamento. Só precisamos COMEÇAR!!!

Até a próxima

* Economista, especialista em Mercados de Capitais, mestranda em Planejamento e Desenvolvimento Regional nas áreas de Administração, Economia e Contabilidade. Expertise em Gestão e Gerenciamento Financeiro, Contábil e desenvolvimento de projetos econômicos com foco em resultados.  Consultora Financeira, Palestrante e Professora Universitária.